15 julho 2007

O factor independente



Em Lisboa, ganham todos. O PS ganha sozinho a Câmara, pela primeira vez em 31 anos, disse António Costa. E diz Sócrates: é mais uma grande vitória do PS. Na verdade tiveram menos que 30% e ficaram abaixo dos dois candidatos afectos ao PSD que juntos somam 32%. Se não fosse a dissidência de Carmona, o resultado seria muito muito incerto, a favor do PSD. O PS deve-lhe a vitória. Carmona também se diz ganhador, pois confirmou no escrutínio a sua base de apoio pessoal, ignorando os interesses partidários pelos quais concorreu há dois anos e pelos quais se sentiu "traído" há 3 meses. Por outro lado, a esquerda combativa - Roseta, a CDU e o Zé/BE - juntos ganharam 5 vereadores, quase tantos como os 6 do PS ou do "PSD". Mas a CDU e Sá Fernandes mantêm os lugares que já tinham. Apenas Helena Roseta, afinal, vem roubar votos ao PS. Verificamos que bastaram dois desalinhados para estragar o equilíbrio táctico dos grandes partidos. A engrenagem agora é outra. A nova ordem política exige que saibam encontrar consensos ou maiorias.

Foto: Ao Fim da Noite (1991), de Joaquim Leitão

1 comentário:

PC disse...

mudam as moscas...